A pesquisa foi realizada com 46 pacientes idosos com câncer em cuidados paliativos | Créditos: Pixabay

Chocolate pode melhorar o estado nutricional de idosos com câncer, aponta pesquisa

POR Redação 30 de julho de 2022
EDITORIAS QUE PODEM TE INTERESSAR

O estudo, feito pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, sugere este auxílio para idosos com câncer em cuidados paliativos

Considerado um dos doces mais queridos em todo o mundo, o chocolate também pode oferecer benefícios para a saúde, especialmente para idosos com câncer em cuidados paliativos, ou seja, sem possibilidade de cura. É o que aponta um estudo de pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP que sugere que o consumo de chocolate com maior teor de cacau pode contribuir para a melhora do estado nutricional e da funcionalidade e diminuição de sintomas nesses pacientes.

“Nós queríamos fazer um trabalho de pesquisa que fosse útil para o público-alvo, promovendo melhora nos problemas nutricionais, conforto e prazer. Foi assim que pensamos em estudar o chocolate, que tem uma história antiga na sociedade e que é alvo de estudo na área cardiovascular como fator que contribui para a melhora da circulação, da pressão e do colesterol bom”, comenta Nereida Kilza da Costa Lima, médica geriatra, professora da FMRP e orientadora do estudo.

A pesquisa foi realizada com 46 pacientes idosos com câncer em cuidados paliativos em tratamento no Serviço de Oncologia e Cuidados Paliativos do Hospital das Clínicas da FMRP (HCFMRP). Todos os voluntários receberam tratamento padrão e foram divididos em três grupos, um com pessoas que não receberam chocolate, outro de pessoas que consumiram 25 gramas diárias de chocolate com 55% cacau e, por último, aquelas que ingeriram a mesma quantidade de chocolate branco.

O estudo foi realizado em pacientes do HCFMRP | Créditos: Divulgação

“Nós coletamos os dados sociodemográficos e informações do estado de saúde, com exames laboratoriais, e da avaliação nutricional dos participantes antes e após quatro semanas da intervenção, usando ferramentas específicas e validadas na comunidade científica”, explica Josiane Cheli Vettori, que é nutricionista, doutora pela FMRP e primeira autora do estudo.

Os voluntários possuem média de 67 anos de idade e 43,5% estavam em risco de desnutrição ou estavam desnutridos antes do início do trabalho. “No final do estudo, observamos que os índices das avaliações nutricionais foram aumentados significativamente. A elevação teve significância clínica e não houve indivíduo classificado como desnutrido após a intervenção. Evidenciando que possivelmente a intervenção nutricional pode ser capaz de reduzir a perda de peso em pacientes com câncer em estágio avançado melhorando o estado nutricional”, conta.

Confira o estudo aqui

TAGS
PUBLICIDADE
COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MATÉRIAS QUE VOCÊ PODE GOSTAR
PUBLICIDADE
COMPARTILHE