Início Colunas Direito Governo renova plano emergencial de manutenção do emprego

Governo renova plano emergencial de manutenção do emprego

Medidas provisórias regulamentam redução proporcional de jornada de trabalho e suspensão do contrato de trabalho por tempo determinado

O Governo federal publicou nesta quarta-feira, 28 de abril, as medidas provisórias 1.045/2021 e 1.046/2021. Elas dispõem, respectivamente, sobre o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e medidas complementares, e as medidas trabalhistas para enfrentamento de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Covid-19 – dentre elas, a redução proporcional de jornada de trabalho e salário, e a suspensão do contrato de trabalho.

Além disso, poderão ainda ser adotadas as seguintes medidas:

  • o teletrabalho;
  • a antecipação de férias individuais;
  • a concessão de férias coletivas;
  • o aproveitamento e a antecipação de feriados;
  • o banco de horas;
  • a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho;
  • o deferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A redução proporcional de jornada de trabalho e de salário ou a suspensão do contrato de trabalho poderão ser adotadas pelos empregadores por até 120 dias, contados a partir do dia 28 de abril. Esse prazo poderá ser prorrogado por decreto do governo.

Já a redução proporcional de jornada de trabalho e de salário poderá ser em 25%, 50% e 70%, por acordos individuais com os empregados ou por negociação coletiva com a entidade sindical. Por exemplo: em um acordo para redução de 50%, o empregado recebe 50% do salário da empresa e 50% da parcela do seguro-desemprego.

No caso de suspensão do contrato de trabalho, o pagamento será de 100% do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direto pelo governo federal. Para as empresas com receita bruta superior a R$4,8 milhões, a empresa somente poderá suspender o contrato de trabalho de seus empregados mediante pagamento de ajuda compensatória de 30% do salário do empregado.

Em contrapartida, o governo reconhece aos trabalhadores uma garantia provisória no emprego. Ou seja, se um empregado tiver sua jornada de trabalho e salários reduzidas por dois meses, terá o emprego garantido por mais dois meses.

Essas medidas já estão em vigor e os empregadores deverão ficar atentos às formalizações dos documentos necessários e imprescindíveis para se beneficiarem das condições estabelecidas nas referidas medidas provisórias.

Por RICARDO PELISSARI
Especialista em Direito do Trabalho
OAB 144142/SP
ricardo@gmpa.com.br

Leia também: Câmeras no trabalho: quais cuidados o empregador deve ter?

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!