Início Destaques Ex-campeão nas quadras, Adriano Ferreira perpetua o tênis no Brasil

Ex-campeão nas quadras, Adriano Ferreira perpetua o tênis no Brasil

Atuando como empresário do tênis em Ribeirão Preto, ele se orgulha da carreira como jogador profissional, mas investe em ajudar outros atletas a atingirem o sucesso

Responda sem pensar muito: quando falamos em tênis, que atleta vem a sua mente? Se você é mais novo, provavelmente respondeu Rafael Nadal ou Serena Williams. Mas se tem um pouco mais de idade, quase certeza a resposta foi Gustavo Kuerten; afinal, o atleta se tornou referência na modalidade. Mas você sabia que outro brasileiro também ficou entre os melhores do mundo e ainda derrotou o famoso Guga, quando este já ostentava o título de campeão da Roland Garros?

Adriano Ferreira | Foto: Arquivo Pessoal
Adriano Ferreira com o hoje amigo Guga | Foto: Arquivo Pessoal

Se você não sabia, passou da hora de conhecer o nome de Adriano Ferreira, um tenista natural de Bebedouro (município a 90 km de Ribeirão Preto), mas que ganhou o planeta – quase que literalmente. Em destaque durante toda a década de 90, ele ficou entre os 150 melhores tenistas internacionais no ranking da Associação de Tenistas Profissionais (ATP), tanto na categoria simples quanto em duplas. E foi no fim dessa década, mais especificamente em 1998, que ele levou a melhor sobre Guga durante o Campeonato Brasileiro de Profissionais.

“Sempre soube o meu lugar e as minhas capacidades. No dia em que ganhei a partida contra o Guga, eu aparecia em 330º lugar no ranking mundial; três meses depois, estava próximo do 140º. Isso porque a vitória me deu muita confiança, além de mais apoio financeiro, o que acabou fazendo muita diferença”, lembra.

Ganhar do atleta que era, ao mesmo tempo, seu ídolo e seu adversário está entre as maiores conquistas do ex-campeão, mas longe de ser a única. Sua primeira vitória profissional aconteceu quando tinha 17 anos – apenas um ano depois de sua carreira profissional começar. Isso o transformou no tenista brasileiro mais jovem a ganhar um torneio. Sua carreira ainda foi marcada por sua participação nos principais torneios mundiais, como Roland Garros, US Open e Wimbledon.

Adriano Ferreira | Foto: Arquivo Pessoal
Foram 11 anos de carreira como jogador profissional | Foto: Arquivo Pessoal

Da atuação dentro de quadra, seu saque pode ser apontado como a marca registrada de sua carreira, já que Adriano foi escolhido, mais de uma vez, como o melhor sacador – habilidade influenciada por sua estatura: surpreendente 1,96m (acima da média dos demais atletas da modalidade).

Das quadras para os bastidores do tênis

Após uma carreira ativa e muito bem-sucedida de 11 anos, Adriano Ferreira se despediu das quadras. Quer dizer, encerrou seu ciclo como competidor. Porque, em seguida, assumiu a posição de treinador para equipes infanto-juvenis e, nos últimos anos, segue atuando em prol do esporte, como um empresário do tênis.

“Não temos a cultura do tênis no país, de forma que ele acaba sofrendo muito com isso. Temos a desvantagem geográfica, já que o centro efervescente do esporte é a Europa; nossa moeda também não é favorável e acaba fazendo com que ser tenista profissional seja muito caro. Sem contar que são poucas as pessoas que estão dispostas a abrir mão de certos confortos para realmente se dedicar à prática. Então, temos muitas barreiras contra o esporte e são elas que busco vencer diariamente com o meu trabalho”.

Dessa forma, ele vem atuando por meio de várias frentes, de modo a continuar perpetuando a modalidade e garantindo a continuidade da prática com qualidade.

“Promovo eventos, tenho a escola AF Sports que ensina crianças a partir dos 5 anos, já fui responsável por projetos sociais em Ribeirão Preto de grande magnitude, e agora estou à frente da empresa AF Sports, com a qual vendo serviços relacionados ao esporte, à saúde e aos sonhos”, enumera o ex-campeão.

Nesse último quesito, Adriano oferece suporte para que muito de seus alunos busquem oportunidades internacionais de educação. “A ponta da pirâmide da nossa escola, que tem hoje cerca de 400 alunos, é a possibilidade de jovens fazerem uma universidade lá fora, após passar por todas as fases de desenvolvimento”, orgulha-se.

Jovens da escola AF Sports, em Ribeirão Preto | Foto: Arquivo Pessoal

No momento, o tenista e empresário está promovendo o São Lucas Tennis Circuit, um torneio exclusivo para médicos, cujas etapas começam no fim de março em Ribeirão Preto [Para saber mais, clique aqui].

Seu trabalho é desenvolvido por meio da AF Sports, a qual lidera juntamente com seu irmão, Vinícius Ferreira (sócio da empresa), e uma equipe de colaboradores que dão suporte para toda a operação.

Leia também: Esporte de verão ou que veio pra ficar? Descubra o beach tennis

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!