Início Matérias Saúde Covid-19: Conheça os testes disponíveis no mercado

Covid-19: Conheça os testes disponíveis no mercado

Você sabia que existem testes com diferentes técnicas e metodologias para detectar o novo coronavírus? Entenda como eles funcionam e de que maneira são indicados

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a testagem em massa da população é uma das maneiras mais eficazes de evitar a proliferação do vírus. Mas, você conhece os testes disponíveis? 

Existem no mercado uma série de testes para diagnosticar o novo coronavírus, são vários métodos e técnicas com diferentes níveis de precisão. No entanto, é necessário compreender suas diferenças para a escolha do mais adequado, em cada caso.

Os principais métodos e técnicas disponíveis atualmente para realização dos exames específicos são classificados entre: os grupos diretos, aqueles que fazem a detecção do vírus, como o RT-PCR; e os indiretos, que detectam a resposta imune ao vírus, como as pesquisas de anticorpos. 

RT-PCR

Os protocolos oficiais do Ministério da Saúde indicam o RT-PCR para o diagnóstico de coronavírus. O teste é considerado o padrão-ouro no diagnóstico da Covid-19, sendo o teste definitivo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

De acordo com o Anvisa este teste verifica a presença de material genético do vírus no organismo, confirmando se a pessoa está com Covid-19. Ou seja, este exame constata se o vírus está ativo no organismo.  

O RT-PCR analisa amostras de secreção de orofaringe e nasofaringe, coleta de fluidos através de um cotonete colocado no nariz e boca. O exame deve ser realizado até o sétimo dia após o início dos sintomas e preferencialmente até o terceiro, para evitar a ocorrência de resultado negativo, devido a eliminação precoce do vírus. 

Segundo o Dr. Carlos Aita, médico patologista clínico e responsável técnico do Grupo Diagnósticos do Brasil, o exame mais adequado para a detecção precoce do coronavírus é o RT-PCR.

Sorologia

A Sorologia, diferente do RT-PCR, verifica a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus, a partir da detecção de anticorpos IgA, IgM e IgG em pessoas que foram expostas ao Covid-19. 

“Acredita-se que a presença dos anticorpos de memória possa promover proteção evitando a reinfecção, apesar de ainda não haver comprovação científica dessa hipótese. Nessa situação o exame mais indicado é a pesquisa de anticorpos IgG ou de anticorpos totais”, ressalta o Dr. Carlos Aita.

Os testes sorológicos são mais indicados para apontar se a pessoa já teve contato com o vírus e se desenvolveu anticorpos. Por isso, segundo o Ministério da Saúde, para que o teste tenha maior sensibilidade, é recomendado que seja realizado, pelo menos, 10 dias após o início dos sintomas. A coleta do material para análise consiste em um amostra de sangue do paciente.

Teste Rápido

De acordo com o Ministério da Saúde estes testes indicam a presença de anticorpos contra o vírus, e que conseguem dar resultados entre 10 e 30 minutos. No entanto, não têm a função de diagnóstico do virus. E, segundo a Anvisa podem auxiliar no mapeamento da população teoricamente “imunizada”, que já teve o vírus ou foi exposta a ele.

No entanto, os anticorpos só aparecem em quantidades detectáveis nos testes pelo menos oito dias depois da infecção. O exame é realizado através da coleta de uma gota de sangue (picada na ponta do dedo do paciente) para análise. 

O Ministério da Saúde ressalta que os os testes rápidos apresentam uma taxa de erro de 75% para resultados negativos. Além de poder testar positivo indicando que você teve contato com outros tipos de coronavírus e não com covid-19, resultando em um falso positivo. 

Assim sendo, esse teste isolado não serve para diagnosticar o coronavírus. O diagnóstico deve ser feito por testes de RT-PCR.

Leia também: Teleconsulta facilita avaliação precoce dos sintomas de Covid-19
Assista: Papo Zumm: Vinhos do Douro

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!