Início Matérias Viagens Circuito Elegante lança selo para reduzir impacto ambiental no turismo

Circuito Elegante lança selo para reduzir impacto ambiental no turismo

O Circuito Elegante, que certifica e recomenda os melhores estabelecimentos de hospedagem no Brasil há quase 20 anos, incentiva o engajamento de empresários na adoção de padrões mais sustentáveis

Atualmente, um dos maiores desafios da humanidade é conviver de forma harmoniosa com o meio ambiente e observa-se ainda que a atividade turística ainda é responsável por grandes danos à natureza.

Com o propósito de tornar a sustentabilidade uma premissa no segmento da hotelaria, o Circuito Elegante, que certifica e recomenda os melhores estabelecimentos de hospedagem no Brasil há quase 20 anos, lançou o selo XIS – que se traduz em Multiplicar Inovação e Sustentabilidade.

“Com a criação do selo XIS, vamos reunir, estimular e fortalecer experiências de empreendimentos no Brasil focadas na consciência socioambiental, ou seja, na proteção e cuidados com a fauna e flora com estímulo de atividades do ecoturismo, no desenvolvimento econômico sustentável e no apoio de redes comunitárias que envolvam colaboradores e moradores locais”, afirma Priscila Bentes, CEO do Circuito Elegante.

De acordo com Priscila, uma das ações já programadas para este ano é o mapeamento das atividades realizadas pelos empreendimentos para a neutralização do carbono. O trabalho será realizado pela Fluxo Consultoria, empresa júnior sem fins lucrativos que abrange cursos da Escola Politécnica e da Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A valorização da identidade e cultura das comunidades também é uma das preocupações do selo, visto que as atividades turísticas impactam não só o meio ambiente como transformam os espaços alterando as relações da população que passa a fazer parte da produção de bens e serviços da própria atividade turística.

“Além de definir os parâmetros com base nas ODS, neste momento estamos buscando empresas parceiras para viabilizar economicamente e apoiar o projeto com ideias e inovações”, afirma.

Priscila destaca que esse projeto não é apenas ambiental, mas sim, socioambiental.
“Não podemos pensar em cuidar do meio ambiente, sem primeiro cuidar da educação e sustentabilidade social. Não dá para falar sobre os impactos ambientais para uma grande maioria que não tem o que comer! Precisamos cuidar primeiro das pessoas, educando-as e lhes oferecendo ferramentas para seu próprio sustento. Assim chegaremos na tão sonhada sustentabilidade”, ressalta.

Ao todo 100 estabelecimentos serão chancelados. Veja alguns que já estão na lista!

Em Alter do Chão no Pará, conhecido como o Caribe brasileiro, o Vila de Alter Pousada Boutique adota práticas centradas no consumo consciente, como o aproveitamento de recursos naturais, compostagem, fossas ecológicas e círculos de bananeiras. Os espaços foram construídos com madeira de reflorestamento e telhas feitas a partir de fibras vegetais recicladas.

Vila de Alter Pousada Boutique | Crédito: Divulgação

Na Casa dos Arandis, no sul da Bahia, não se usa mais garrafas plásticas de água mineral. Oferece garrafas squeeze para os hóspedes, além de garrafas de vidro, com mensagens positivas, em cada cabeceira com água natural. Possuem um filtro de água maravilhoso a disposição dos hóspedes no bar para o abastecimento a qualquer hora.

Casa dos Arandis | Crédito: Divulgação

Na área cultural, o Bupitanga, em Pipa – RN, mantem uma biblioteca apenas com títulos de autores do estado, inclusive autores da própria cidade, pescadores poetas e veranistas que contam histórias de como chegaram à Praia da Pipa. Nas noites de verão promovem eventos ao entardecer, como roda de capoeira, concerto da orquestra da escola pública local.

Bupitanga | Crédito: Divulgação
Comuna Ibitipoca | Crédito: Divulgação

A Comuna Ibitipoca como opção de hospedagem, criou o Village, que fica a 18 quilômetros do engenho e tem como conceito um mundo melhor e uma vida mais saudável. No vilarejo antigo, praticamente abandonado pelo exodo rural denominado Mogol, hoje é uma comunidade, com propriedades em sua maioria privadas, e que devido ao projeto de revitalização e sustentabilidade, trouxe de volta alguns moradores, que retornaram à vila, pela oportunidade gerada.

Rancho do Peixe | Crédito: Divulgação
Rancho do Peixe | Crédito: Divulgação

Com um projeto em desenvolvimento com a escola da comunidade do Preá – CE, próximo à Jericoacoara, o Rancho do Peixe está trazendo alunos dos últimos anos de ensino fundamental e médio, para vivenciar as práticas da hotelaria, abrindo assim espaço para formar futuros parceiros de trabalho no setor da hospitalidade.

Leia mais: Qual o destino da hotelaria e do turismo em 2021?

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!